Inclusão Diferente: Filmes

Últimas notícias ➞
Carregando...
Mostrando postagens com marcador Filmes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Filmes. Mostrar todas as postagens

“Julien vive numa cadeira de rodas e, como todo o adolescente sonha com grandes aventuras e emoções”.


FILME MEU PAI MEU HERÓI.


Para realizar um dos sonhos, Julien convence o pai a competirem juntos no triathlon “ironman”, uma das provas mais difíceis do circuito mundial. Treinando para o evento, o jovem tem a chance de reconstruir a relação com o pai, transformando a vida de toda a família. Baseado numa história real.

Paul Amblard (Jacques Gamblin) é um engenheiro desempregado que passa horas no bar para evitar a sua arrogante mulher, Claire (Alexandra Lamy), e manter certa distância de seu filho adolescente, Julien (Fabien Heraud). Isso porque Julien vive em uma cadeira de rodas, devido a uma paralisia cerebral. Como todo jovem, ele sonha com grandes aventuras e emoções.

Incomodado com a falta de comunicação com o pai, Julien pede a ele para os dois competirem juntos no triathlon “Ironman“, uma das provas mais difíceis do circuito mundial, que Paul já havia completado no passado.

FILME MEU PAI MEU HERÓI.Acontece que a competição leva de 12 a 16 horas e inclui natação, ciclismo e corrida. A princípio, Paul acha tudo isso uma verdadeira loucura, mas, com a insistência do filho, acaba convencido e concorda em participar. Treinando para o evento, Julien tem a chance de reconstruir a relação com o pai, transformando a vida de toda a sua família.

A história é baseada baseado em uma história real. O americano Dick Hoyt realizou o desejo do filho, Rick, e começou a competir em maratonas junto com ele, empurrando sua cadeira ou carregando-o no colo quando necessário.

Ao nascer, o cordão umbilical de Rick ficou preso ao pescoço, e ele perdeu oxigenação no cérebro. No filme francês, dirigido por Nils Tavernier, o pai é interpretado por Jacques Gamblin – que no longa se chama Paul Amblard. Já quem vive o filho é o estreante Fabien Héraud, que, de fato, usa uma cadeira de rodas e na produção dá vida a Julien, personagem com paralisia cerebral.

MEU PAI MEU HERÓI, INDICAÇÃO DE FILME


Aos 12 anos de idade, Rick começou a usar um computador especial para se comunicar, usando os movimentos de sua cabeça. Em 1977, aos 14 anos, um acontecimento em especial o fez entrar no mundo esportivo: um jovem ficou paralítico em um acidente e a escola dele decidiu organizar uma corrida para levantar fundos. Rick então decidiu que queria participar do evento e seus pais o ajudaram a percorrer o trecho de cerca de 8 km.

No filme, há uma cena em que o menino Julien se inspira em um artigo sobre Dick e Rick e resolve propor ao pai de eles competirem no triathlon. Na vida real, pai e filho já participaram de mais de 900 eventos esportivos, incluindo o próprio Ironman e diversas maratonas.


O Ironman é uma das competições mais difíceis do ramo, incluindo 3.800 metros de natação, 180 km de ciclismo, 42 km percorridos a pé e mais 195 metros de corrida. Já adulto, Rick se formou na universidade de Boston, onde trabalha atualmente.

Fontes: Filmow, Globo.com. Youtube e www.teamhoyt.com

A&E Anuncia a Estreia da Série Minha Vida com Síndrome de Down.

A&E Anuncia a Estreia da Série Minha Vida com Síndrome de Down.

Em sua constante busca para apresentar perspectivas diferentes sobre a vida e seus desafios, o A&E avança mais uma vez com uma proposta original e inédita, desta vez focalizando os desafios que as pessoas com Síndrome de Down enfrentam na sociedade. 

A série Minha Vida com Síndrome de Down, que chega á tela do canal no dia 2 de maio, é uma emotiva produção original que expõe a história de um grupo de sete jovens adultos com da síndrome, que vivem junto de suas famílias e amigos no sul da Califórnia, EUA.

“É um enorme privilégio poder oferecer à audiência uma forma diferente de conscientizar a sociedade sobre a Síndrome de Down, por meio desta nova série tão inovadora e inspiradora. Sem dúvida, o A&E novamente explora diferentes formatos para mostrar a vida real de maneira audaciosa, quebrando paradigmas com outras perspectivas, como já o fizemos em outras oportunidades”, afirma Cesar Coletti, vice-presidente Sênior de Marketing para A+E Networks Latinoamérica.

Ao longo da nova série, os protagonistas mostrarão suas paixões e sonhos, explorando a amizade, as relações amorosas e a vida profissional, enquanto desafiam todas as expectativas da sociedade. Com vontade e coragem para compartilhar todas as experiências de vida, e através de uma lente que não é muito vista na televisão, o espectador percebe que eles têm grandes sonhos como qualquer outra pessoa. 

A série também compartilhará o ponto de vista dos pais. O que significa cada um de seus filhos em suas vidas, as alegrias que dão à família e tudo o que eles enfrentam para poder ajuda-los a ter uma vida o mais independente possível.

Minha Vida com Síndrome de Down exibirá as histórias de Rachel (32), uma jovem que trabalha em uma companhia de seguros e sonha em se casar; Sean (21), um excelente golfista e esportista, e um grande destruidor de corações; John (28), um apaixonado pela música e pelo rap, nascido para entreter; Steven (24), um aficionado pelo cinema, que trabalha lavando pratos em um estádio de basebol em Anaheim, CA, e que atende em um local de comidas; Cristina (25), uma doce e compassiva jovem que trabalha em uma escola secundária e ama seu noivo com quem mantém uma relação há mais de quatro anos; Megan (22), uma empreendedora de moda que criou uma marca de roupas e ainda quer concretizar seu sonho de ser produtora de cinema; e, por último, Elena (28), uma grande cozinheira que abraça a vida e gosta de dançar e escrever poesia.

Minha Vida com Síndrome de Down acompanhará a vida desses sete jovens adultos com Síndrome de Down, que também são amigos entre si. A produção mostrará quais são seus sonhos, medos, suas aspirações, grandes desafios, maiores virtudes, trabalhos, hobbies e, sobretudo, como levam adiante suas próprias vidas com a deficiência; além de mostrar que significado a Síndrome de Down tem para eles. Sete jovens com uma mesma deficiência, mas com grandes e diferentes capacidades pessoais.

A nova série é sobre honestidade, nobreza, humor e corações que aceitam e celebram a diversidade. O A&E se associou à importante organização Best Buddies Internacional – uma organização mundial sem fins lucrativos, dedicada a pessoas com deficiência intelectual e de desenvolvimento – e se comprometeu a um espaço no programa para os integrantes e para Anthony K. Shriver, fundador e presidente da Beste Buddies International.

“Existe uma grande novidade e sinceridade na maneira como esses jovens adultos levam adiante suas vidas; algo que todos nós poderíamos aprender. Estamos muito agradecidos a eles e às famílias deles por esse projeto”, declarou Jonathan Murray, produtor executivo de Minha Vida com Síndrome de Down.

Anthony K. Shriver, da Beste Buddies, destacou: “Estou bastante orgulhoso de ver ‘Minha Vida com Síndrome de Down’ ressaltar as personalidades de destaque e as surpreendentes capacidades dos integrantes do Best Buddies, como Rachel Osterbarch e Sean Mcelwee. Minha grande esperança é que esta série possa mostrar à sociedade que as pessoas com deficiência intelectual e de desenvolvimento são como todos nós, e têm de ser incluídas em nossas comunidades, nossos espaços de trabalho e em nossas vidas”.

No episódio de estreia, ‘Esta é a síndrome’, sete jovens adultos com síndrome de Down se encontram em um centro de recreação e se dão conta que têm mais em comum do que o esperado. As câmeras seguem esse dinâmico grupo de amigos à medida que perseguem suas paixões e sonhos de vida, exploram amizade, relações amorosas e trabalho, enquanto desafiam as expectativas da sociedade.

Além da série, o A&E está realizando uma série de iniciativas que incluem a emissão de uma luz na premiada campanha realizada por Saatchi and Saatchi que foi cedida ao canal para sua difusão na América Latina e Brasil, chamada “Querida futura mamãe”: a emissão de cápsulas na programação, em que diferentes jovens expressam o exato momento em que tomaram consciência de que possuem Síndrome de Down. 

A ação foi realizada  em conjunto com a organização Downeate, da Argentina. O A&E também anuncia a criação de um mural comemorativo, que será instalado na Cidade do México, pelo artista JUAN MANUEL ROZAS, inspirado em pessoas com a Síndrome, suas alegrias e desafios. Todas as iniciativas buscam abrir um debate na sociedade para dar maior conhecimento sobre as pessoas que vivem com diferentes capacidades intelectuais e de desenvolvimento.


Fonte: Revista Incluir

A teoria de tudo, é um filme belíssimo, baseado em fatos reais, uma linda obra que você não pode perder. 



Já Assistiu o Filme: A Teoria de Tudo?

Indicado ao Oscar de melhor filme e melhor ator, o longa metragem “A Teoria de tudo”, é dirigido por James Marsh e conta a história do físico Stephen Hawking, o filme tem como fonte o livro Travelling to Infinity: My Life with Stephen, de Jane Hawking.

A estrela principal do filme é o jovem ator Eddie Redmayne, que atuou em Os Miseráveis (2012), sua esposa é protagonizada pela bela atriz Felicity Jones, que atuou como a Felícia no filme O Espetacular Homem-aranha 2: A Ameaça De Electro, ainda no elenco o filme conta com nomes consagrados como Emily Watson, David Thewlis e Charlie Cox.

 O filme apresenta a juventude e a vida universitária de Stephen Hawking, onde mostra suas primeiras descobertas científicas, a estratégia utilizada para impressionar, através do seu raro conhecimento, para conquistar a sua paixão da adolescência, além dos primeiros sinais da sua doença degenerativa, a esclerose lateral amiotrófica (ELA).

A autora do livro é nada menos, que sua primeira esposa, sendo basicamente uma biografia, onde ela relata a vida do casal, desde o dia que se conheceram, o início do romance, os estudos e descobertas científicas do marido, o início da doença, a luta, os problemas e a superação.
O filme foi recentemente exibido no Festival de Toronto, onde foi aplaudido e elogiado pelos críticos de cinema com exaltação, parabenizado pelo excelente enredo e direção.

Para interpretar Stephen Hawking o ator Eddie Redmayne teve que perder cerca de 10 kilos, e se submeteu a uma minuciosa pesquisa sobre a doença e estudou com veemência os trejeitos do cientista. Sua dedicação para interpretar o papel, foi tamanha, que o ator teve aulas para incorporar os movimentos físicos, com uma dançarina que criou os movimentos usados pelos zumbis no longa Guerra Mundial Z.

Stephen William Hawking, nasceu em Oxford em 8 de janeiro de 1942, filho de um biólogo, Frank Hawking e de Isabel Hawking. De uma família de quatro irmãos, Stephen Hawking sempre teve interesse por ciência, porém, apesar de ter sido um bom aluno na sua infância, nunca foi considerado excepcional.

Em 1959 entrou para a Oxford para estudar física se formando em 1962, tinha como principais interesses a relatividade, termodinâmica e mecânica quântica. Obteve seu doutorado em Trinity Hall, em Cambridge no ano de 1966, onde hoje é um membro honorário.

Após o doutorado, o físico passou a ser pesquisador e posteriormente, se tornou professor em Gonville and Caius College. Em meados de 1973 Stephen Hawking ingressou ao Depto. de Matemática Aplicada e Física Teórica e passou a ocupar, anos mais tarde, o posto de professor lucrasiano de matemática, posto que pertenceu a Isaac Newton.

Stephen Hawking é um dos mais aclamados cientistas da atualidade, autor de vários livros e detentor de vários prêmios, medalhas e títulos. Hoje, aos 73 anos, o físico é diretor de pesquisa do DAMTP – Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica e foi fundador de Centro de Cosmologia Teórica (CTC) na Universidade de Cambridge.

Foi casado pela primeira vez com Jane Wilde em 1965 e separaram em 1992,

Já Assistiu o Filme: A Teoria de Tudo?

posteriormente Hawking casou-se novamente, em 1995, com Elaine Mason, sua enfermeira na época.
Portador de uma doença rara degenerativa, Hawking foi diagnosticado com a doença quando ele tinha apenas 21 anos. Foi perdendo os movimentos dos braços e pernas, gradualmente, como também a perda da musculatura voluntária, inclusive a força em manter a cabeça erguida, assim sua locomoção e mobilidade são praticamente inexistentes.

A esclerose lateral amiotrófica, conhecida por ELA, trata-se de uma doença rara e degenerativa, a doença aos poucos vai paralisando os músculos do corpo e o portador da doença vai perdendo os movimentos sucessivamente, porém a doença não atinge as funções cerebrais, a pessoa com a doença perde os movimentos do corpo, mas seu cérebro continua funcionando perfeitamente.

A ELA é uma das principais doenças degenerativas que atingem a população mundial, e os cientistas ainda não encontraram a sua cura.

Fonte: Site Deficenter

Eu particularmente adorei o filme, e você gostou quais foram suas impressões?

Parceiros do blog